Um dos maiores problemas que a humanidade enfrenta hoje, é a quantidade de resíduos gerados e, principalmente, aqueles dispostos em lixões com a consequente redução de recursos naturais diante do crescimento populacional mundial.

Equipe redação

Por Equipe de Redação
Publicado em 6 de janeiro de 2021

Com a revolução industrial e novos produtos desenvolvidos para facilitar a vida das pessoas, acabou aumentando exponencialmente o volume de resíduos, tornando-se uma grande dor de cabeça sua destinação final.   

A Política Nacional de Resíduos Sólidos foi implantada visando, justamente, a resolução ou minimização desse problema. Contudo, o gerenciamento de resíduos tornou-se assunto corporativo obrigatório, já que os índices ESG (sigla em inglês de Environmental, Social, Governance) estão chamando a atenção dos investidores, tornando a sustentabilidade um dos focos principais das discussões e debates no mundo. 

Neste contexto o termo “economia circular” abriu a porta para um mundo sem resíduos e cada vez mais sustentável. Mas você sabe o que é e como funciona esse processo?  

O que é Economia Circular 

A Economia Circular nada mais é do que reintroduzir o resíduo na cadeia produtiva, ou seja, ao invés de descartá-lo, é reutilizado dentro do processo produtivo ou transformado em matéria-prima para fabricação de novos produtos. Assim, diminuímos a quantidade de resíduos e passamos a extrair menos recursos naturais, preservando o meio ambiente para as futuras gerações.  

Para realizar este processo as companhias precisam fazer a coleta de todo o material, enviar para uma central de triagem que faça a segregação e destinar, de forma ambientalmente correta, cada tipo de resíduo. Na economia circular, tudo passa pelo devido procedimento classificatório, a fim de transformar-se em matéria-prima para fabricação de novos produtos.  

Existem diversos benefícios às companhias que realizam este processo. Separamos os cinco principais motivos para explicar melhor porque as empresas devem se preocupar com a economia circular. 

1 – Redução de custos 

As grandes empresas, normalmente, gastam valores elevados para enviar resíduos aos aterros. Ao praticar a economia circular, é possível reduzir os custos, não só através da eliminação na destinação, mas também com o retorno deles dentro do próprio processo produtivo, além da geração de receitas com sua valoração. A partir de estudos, há como definir uma forma de reutilizar os resíduos ou transformá-los em novos produtos, que podem ser vendidos. Muitas indústrias costumam, até mesmo, comercializar os próprios resíduos para que outras companhias os utilizem como matéria-prima.  

2 – Cumprimento de aspectos legais 

Com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, as empresas precisam reduzir a quantidade de resíduos e fazer a destinação ambientalmente correta. A economia circular é uma grande aliada das companhias para atender à legislação. A partir da valorização de resíduos e reintrodução na cadeia produtiva, as empresas reduzem a quantidade de materiais enviados aos aterros sanitários.   

3 – Economia de baixo carbono 

A economia de baixo carbono é, cada vez mais, uma preocupação das empresas e de toda a sociedade. Reduzir a quantidade de resíduos e deixar de envia-los para os aterros significa diminuir as emissões de gases do efeito estufa, que causam as mudanças climáticas. Além disso, muitas empresas assinaram o Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU), se comprometendo a alcançar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).   

4 – Valorização Institucional da Marca 

Empresas que praticam a economia circular têm valorização institucional da sua marca, afinal, os investidores estão de olho em ações de companhias alinhadas aos pilares ESG. Ao promover a economia circular, a empresa reforça seu alicerce no mercado podendo criar novos produtos a partir de resíduos utilizados dentro da própria unidade ou distribuídos aos colaboradores. Os restos de alimentos, por exemplo, podem ser transformados em compostagem, um “adubo natural” rico em nutrientes para hortas e jardins. 

Há diversas ações que agregam valor à imagem da empresa, pois ao praticar a economia circular, é possível preservar o meio ambiente, diminuir o uso de recursos naturais e desenvolver trabalhos socioambientais dentro e fora da organização com baixo custo.  

5- Competitividade e desenvolvimento econômico sustentável 

A economia circular gera redução de extração de recursos naturais, promovendo o desenvolvimento sustentável. Além disso, há benefícios econômicos, já que a fabricação de novos produtos a partir de resíduos gera competitividade no mercado e promoção de novas tecnologias e inovações. Assim, é possível estimular o crescimento econômico e criar mais empregos, sempre visando a preservação ambiental.  

A Ambipar possui um laboratório de PD&I para desenvolver tecnologias e inovações a partir de resíduos. Com diversas patentes registradas de produtos sustentáveis, promove a economia circular e auxilia empresas com a destinação correta de seus resíduos. Dentre as principais inovações destacam-se as rações feitas a partir de restos de crustáceos, que antes eram despejados no mar; o amaciante sustentável produzido com resíduos das indústrias de cosméticos e o sabonete desenvolvido a base de colágeno oriundo do revestimento de cápsulas para indústrias farmacêuticas.  

Compartilhe